Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
SALLIM + MARINHO

SALLIM + MARINHO

Música & Festivais | Concerto

Salão Brazil JACC

Sala Principal
Classificação Etária
Maiores de 6 anos
Bilhete Pago
A partir dos 12 anos
2020
fev
08
Realizado

Duração

60 minutos

Promotor

Jazz ao Centro Clube

Breve Introdução

SALLIM + MARINHO

Sallim
Mais que uma editora, a lisboeta Cafetra Records é uma matiné juvenil, por vezes confessional, e logo depois eléctrica, na confluência do sarcasmo do Éme com as guitarras das Pega Monstro. Em 2016, por entre as suas fileiras, emergiu o álbum ‘Isula’, de Francisca Salema, que se deu a conhecer como Sallim. É certo que nem todos deram por ela, mas aqueles que com as suas composições se cruzaram não lhe pouparam elogios, dando conta da sua escrita cuidada e do conforto da sua voz. À inevitável economia de meios, sobrevivia então uma promissora bedroom pop cantada em português. Cerca de três anos volvidos, Sallim editou o seu segundo álbum. Apropriadamente intitulado ‘A Ver O Que Acontece’, aportou à sua autora uma maior exigência e envolvimento, contando com o precioso auxílio de Lourenço Crespo (Iguanas) e de Leonardo Bindilatti (produtor de ‘Isula’). O resultado é o apuramento melódico, a profusão de teclados e o advento de uma Primavera pop.


Marinho
Quando passou por Coimbra, no âmbito do Festival [in]Comum, Marinho trouxe consigo algumas das faixas que integrariam o seu primeiro álbum, simplesmente intitulado ‘~’ [Til], e logo ali, nas três actuações que protagonizou, a reacção do público deixou pistas seguras de que não passariam indiferentes aos demais. Desde Julho que ‘Ghost Notes’, ‘Window Pain’ ou ‘Freckles’ cresceram na rádio e no palco, ao passo que a sua autora vem conquistando um consensual apreço por parte da crítica. Seja pela descomplicada depuração da escrita ou pela elegância da produção, motivos vários subsistem para que ‘~’ se afirme cada vez mais como um sólido primeiro passo no percurso de Marinho. O apego à indie folk norte-americana, que nos transporta para paragens distantes, surge pleno de autenticidade, na certeza de que cada composição comporta um sincero e forte afecto por autoras como Joni Mitchell ou Martha Wainwright.

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda:

Samba ao Centro #3

Música & Festivais | Concerto

Salão Brazil JACC

Sala Principal