Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Filho da Mãe - Ciclo de Concertos de Cordas

Filho da Mãe - Ciclo de Concertos de Cordas

Música & Festivais | Música

Lab. Artes Vista Alegre

Teatro
Classificação Etária
Maiores de 3 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2016
dez
11
Realizado

Promotor

Câmara Municipal de Ílhavo

Breve Introdução

O nome de palco de Rui Carvalho fala por si só: é um grande Filho da Mãe, daqueles cuja expressão provoca inveja e um misto de sentimentos, que vão da incompreensão à pura admiração. É assim, no seu metralhar de argumentos melódicos delicadamente encadeados, que cada peça na guitarra de Filho da Mãe nos toma, na soberba da técnica e no fôlego que nos tira a cada nota.


Queda livre. Um mergulho na terra, na pedra que se faz mar, lá no fundo onde? se preparam cristais. Foi com o centro do planeta, com a força de atração de cada pedra a contrastar com a sua frieza e a procurar quebrar separações físicas que Filho da Mãe se fechou no coro alto do Mosteiro de Rendufe, em Amares, dedicado à feitura de um longa-duração em comunhão com o Minho.
Em “Mergulho”, também Rui Carvalho se diluiu no tempo e no espaço, tornando permeável o registo que até então cunhava como algo só dele — o que partilhou retornou-lhe maduro, melodioso e doce, em contraste com as incursões mais intempestivas e desenfreadas de outros tempos. Mergulho é permeável à pedra, à terra e à gente que o rodeia. É um disco de Filho da ?Mãe, que transpira espaço e transcende dimensões, imergindo-se no bucólico para o desconstruir num exercício de cubismo sónico, impregnado de efeitos e das reverberações naturais do cenário improvisado pelos Estúdios Sá da Bandeira.
“Mergulho” foi produzido por João Brandão e é fruto de uma residência artística proporcionada pela associação Encontrarte-Amares. O artwork foi desenhado pela Cláudia Guerreiro.

-
Partilhar