Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Brother- Marco da Silva Ferreira

Brother- Marco da Silva Ferreira

Teatro & Arte | Dança

Teatro Virgínia

Sala Principal
Classificação Etária
Maiores de 16 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2019
nov
16
Realizado

Duração

60 minutos

Promotor

Câmara Municipal de Torres Novas

Sinopse

Sinopse:
Brother é uma criação que estabelece uma relação de complementaridade com o anterior trabalho Hu(r)mano. Em ambos, o foco é a dança existente em contexto de grupo, mas descolam-se uma da outra nas referências temporais e no processo de composição. Se em Hu(r)mano se abstratiza e se formaliza a dança contemporânea urbana, em Brother olha-se para uma ancestralidade comum e procuram-se pontos de afinidade e similaridade que sobreviveram às passagens geracionais e que estão reminiscentes nos corpos e na dança que ainda hoje se desenvolve.

O que procuramos juntos através da dança?

Brother compõe-se através do mimetismo constante entre os intérpretes que é gerador de movimento, comportamentos e padrões. Desenvolve-se vocabulário não-verbal que se regenera e se transforma ao longo do tempo através de compromissos ou desbloqueadores que individualmente cada um manifesta. Surgem e desvanecem pontes móveis entre o agora e o longínquo. À macroescala é uma reflexão sobre herança, memória, códigos, processo de aprendizagem e transmissão.

Brother é também um incómodo "bother". Uma tentativa de pulsar comum, uma sensação de pertence e de afeto, um eco de forças externas, e no fundo, uma assumida fragilidade pela constatação de perda e finitude. Um pernoitar por este lugar que se faz fazendo.

Bio:
Marco da Silva Ferreira nasceu em Santa Maria da Feira em 1986 e é bailarino desde 2004. Como intérprete profissional, integrou projetos de dança contemporânea com diversas companhias e colaborou com Victor Hugo Pontes em vários projetos. Como coreógrafo criou o solo Nevoeiro 21 (2012), Réplica...éplica...éplica (2013), Por minha culpa, minha tão grande culpa (2013), Land(e)scape (2014), HU(R)MANO (2014), bruto (2015) e Íris (2016).

Ficha artística:
Direção artística e Coreografia Marco da Silva Ferreira
Assistência artística Mara Andrade
Intérpretes Anaísa Lopes, André Cabral, Cristina Planas Leitão, Duarte Valadares, Filipe Caldeira, Marco da Silva Ferreira, Max Makowski
Direção técnica e desenho de luz Wilma Moutinho
Música (live act) Rui Lima e Sérgio Martins
Produção executiva Joana Costa Santos
Produção Pensamento Avulso - Associação de Artes Performativas
Coprodução São Luiz Teatro Municipal (PT); Teatro Municipal do Porto (PT); Centre Chorégraphique National de Rillieux-la-Pape / Direction Yuval Pick (FR)
Parceiros (residências) Centro Cultural Vila Flor, O Espaço do Tempo, Quinta do Rio
Apoio à internacionalização República Portuguesa - Cultura I DGArtes Direção-Geral das Artes

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda: