Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Lea Bertucci | Pedro Branco

Lea Bertucci | Pedro Branco

Música & Festivais | Electrónica

Galeria Zé dos Bois

Galeria
Classificação Etária
Maiores de 16 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2020
fev
28
Realizado

Duração

80 minutos

Intervalo

Intervalo 15 min.

Promotor

Associação Zé dos Bois

Sinopse

Podemos com alguma razão desconfiar da sound art enquanto terminologia meio vazia que planta a prática "artística" do som no meio galerista como forma de legitimação pela alta cultura, mas não existe grande forma de o contornar ao falar de Lea Bertucci. E não existem razões para tal: exemplo clemente, como outros que felizmente ainda dão ao termo algum valor e sentido interno, Bertucci estabelece na abordagem ao som relações entre os "fenómenos acústicos e a ressonância biológica". Bagagem conceptual que aqui se materializa na verdade, num trabalho que tem sempre procurado criar elo de cumplicidade entre as fontes de som — maioritariamente o saxofone alto e o clarinete baixo — e o espaço acústico que as envolve, e que nesse processo encaixa todo um lado humano que geralmente se dissipa na névoa da conceptualização. A sound art como parte importante — atestada no trabalho multifónico para museus ou sinergias com a dança e o teatro — mas limitada pelas fronteiras de uma obra onde a composição e a performance têm um peso fundamental. Vital.

Com a composição devidamente postulada em 'All That Is Solid Melts Into Thin Air', em esquiva aos sopros com uma escrita para cordas em contínuo com as premissas das formas e extended techniques que irradiam do fôlego solista, 2018 iluminou de forma mais ampla a sua visão com a edição de 'Metal Aether' pela NNA Tapes. Continuando um trajecto de interacção constante entre o espaço e o som que vem desde 2012 sendo explorado com a fé de grandes como Pauline Oliveros ou John Surman 'Metal Aether' culminou três anos de ofício em torno do saxofone e da fita com respectiva reverência em meios como a Pitchfork ou inevitável a Wire — com lugar na lista dos melhores discos desse ano. Das pirâmides Maias ou subterrâneos urbanos de 'Metal Aether' ao Marine Grade A Elevator em Buffalo para 'Resonant Field' seguimos a artista sediada em Nova Iorque a sondar novas abordagens ao saxofone com vista ao espaço circundante, reagindo com a reverberação desse silo magnânimo numa conjura harmónica que enreda a suspensão temporal de alguém como o Phil Niblock com a convulsão benigna do Evan Parker mais encantador de serpentes. Campos sensoriais de ruídos concretos, silêncios e notas espectrais. Imersiva, como o são as obras mestras do minimalismo, do drone ou da electroacústica — campos várias vezes geminados — sem se fixar em nenhuma corrente per se, é uma música de invocação, plena de possibilidades e muito humana. Aqui sujeita ao carisma do Aquário, após visita ao Barreiro no Out.fest de 2018. BS

Abertura de Portas

21h00

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda:

Luís Severo (banda)

Música & Festivais | Concerto

Galeria Zé dos Bois

Galeria

CONSUBSTANTIATION de Dinis Machado

Teatro & Arte | Dança

Galeria Zé dos Bois

Galeria