Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Grau Zero, Um Corpo Que Espera, pela Associação Cultural Fadas e Elfos

Grau Zero, Um Corpo Que Espera, pela Associação Cultural Fadas e Elfos

Teatro & Arte | Dança Contemporânea

Teatro Diogo Bernardes

T. Diogo Bernardes
Classificação Etária
Maiores de 6 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2021
mai
28
Realizado

Duração

40 minutos

Abertura Portas

19:30

Promotor

Município de Ponte de Lima

Sinopse

Grau Zero, Um Corpo que Espera

É da natureza do homem esperar. Todos esperamos, tendemos para diante. Somos seres em evolução e essa essência de futuro, modelada em espera, pode vir a transformar-se em esperança. Esperamos pelo autocarro, esperamos por alguém, por um exame e até mesmo pela morte, palavras de Anselmo Borges, convocadas por Elisabete Magalhães para ecoar algumas das inquietações que estiveram na génese do seu projeto Grau Zero, Um Corpo que Espera.

Pesquisa sobre o corpo, imobilidade e silêncio (e as suas possíveis implicações para a dança), este trabalho propõe, em contracorrente à aceleração intrínseca ao nosso quotidiano e à ideia de um corpo objeto, uma paragem e uma escuta do corpo enquanto sujeito de perceção de si e do mundo. Instigada pelas declinações do silêncio nas obras de Andrei Tarkovski, Merce Cunningham e Nijinski, a coreógrafa persegue em Grau Zero, Um Corpo que Espera a sua pormenorização e questionamento: Indagar o silêncio para mim implica um estado livre de intenção e simultaneamente um modo de discurso, seja ele político, de resistência ou de urgência.

BIOGRAFIA

Elisabete Magalhães Bailarina e coreógrafa, começou a dançar aos 10 anos com Alexandrina Alves Costa. Mestre em Artes Cénicas Interpretação e Direção Artística. Pós-graduada em Dança Contemporânea pela ESMAE em colaboração com CMP e Teatro Municipal do Porto. É licenciada em Cinema e Audiovisual pela ESAP. Conclui o curso de Dança no Balleteatro Escola Profissional. Frequentou a Escola Superior de Dança. Como bolseira, frequentou Études Paris Goube e Ménagerie de Verre. Estagiou na Fundação de Serralves no serviço de Artes Performativas na área de cinema e vídeo. Participou nos encontros Reperages, Danse à Lille (2002 e 2007).

Colaborou com Né Barros, Isabel Barros, Javier de Frutos (no âmbito da Companhia Instável), La Ribot, Tânia Carvalho, Alberto Magno, Ricardo Pais (As Lições), Victor Hugo Pontes. Participou na coreografia Sursauts de Mathilde Monnier, as Brancas de Neve de Catherine Bay e no Ballet Neoconcreto de Lygia Pape (com direção de Né Barros). Tem desenvolvido alguns trabalhos como coreógrafa e mais recentemente em vídeo: Auto Retrato, Passagens, Imago, When I Die I wanna Go To Hell, Documentário Dança e Arte Digital, Multiplex, Grau Zero, Um Corpo Que Espera. É docente do Balleteatro Escola Profissional. Deu formação e coreografou em colaboração com a Câmara Municipal do Porto, através do seu Pelouro de Animação da Cidade, no projeto intitulado Descobrir o Teatro e a Dança, a jovens de outras áreas.

Artista Tutor do TNSJ no projeto DEZ X DEZ, uma produção da Fundação Calouste Gulbenkian- programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência (2014/2015). Professora De Corpo e Movimento na ULP no Curso de Interpretação e Direção de Atores. Integrou a semana de compositores e coreógrafos 2018/19 EVC com orientação de Victor Hugo Pontes e Luís Tinoco.

Foi responsável pelo movimento em A Morte de Danton, com encenação de Nuno Cardoso.

Ficha Artística

Conceção e Coreografia: Elisabete Magalhães
Desenho de Luz: Wilma Moutinho
Operação de Luz: Luís Ribeiro
Vídeo: Elisabete Magalhães
Interpretação: Júlio Cerdeira e Elisabete Magalhães
Produção Executiva e Difusão: Sara Lamares e Paulo Santiago / Fadas e Elfos - Associação Cultural
Coprodução: Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo e Teatro Nacional São João
Agradecimentos: Balleteatro
Este espetaculo foi montado apresentado nos dias 1 e 2 de Junho de 2018, nos Claustros do Convento de Sao Bento da Vitoria (Teatro Nacional Sao Joao).

Informações Adicionais

O número máximo de entradas a adquirir na bilheteira física, apenas no caso de existirem filas, será de 4 bilhetes por pessoa, cumprindo-se a lotação estabelecida em cumprimento do Plano de Contingência Covid-19, de acordo com a planta da sala adaptada em função do mesmo.

- Lugares individuais na plateia e para coabitantes (2, 3 e 4 lugares) nas frisas e camarotes.

- Os bilhetes para as frisas e camarotes serão vendidos em bloco, na totalidade dos lugares.

MUITO IMPORTANTE:
- As portas abrirão, pelo menos, uma hora antes do início dos espectáculos e pede-se aos espectadores que compareçam mais cedo, com, pelo menos, meia-hora de antecedência para se efectuarem todos os procedimentos de segurança.
- Os espectáculos terão início à hora marcada.
- Não será permitida a entrada após o início dos espectáculos.
- Os espectadores devem cumprir rigorosamente todas as instruções dos assistentes de sala, devidamente identificados e em nenhum caso poderão trocar de lugares ou deslocar-se pelo recinto sem motivo justificado.
- No final de cada espectáculo, os espectadores deverão, obrigatoriamente, permanecer sentados nos seus lugares até serem instruídos pelos assistentes de sala para abandonar o recinto, por local diferente da entrada, de forma disciplinada e respeitando o distanciamento físico.

POR FAVOR, NÃO ESQUEÇA:
- É obrigatório o distanciamento físico de 2 metros no acesso ao recinto e às bilheteiras (a lotação da bilheteira do Teatro Diogo Bernardes é de 1 pessoa).
- É obrigatória a medição de temperatura de todos os presentes, sem registo escrito, à entrada do recinto.
- É obrigatória a higienização das mãos à entrada no recinto.
- É obrigatório o uso de máscara por parte do público durante todo o tempo dos espectáculos.
- A abertura do teatro será antecipada para assegurar o acesso atempado ao mesmo, devendo os espectadores dirigir-se de imediato aos lugares indicados pelos assistentes de sala, cumprindo rigorosamente as instruções dos mesmos.
- A permanência nos locais de atendimento deve ser limitada ao tempo estritamente necessário à realização do atendimento.
- O bar do Teatro Diogo Bernardes encontra-se encerrado.
- Nas instalações sanitárias, feminina e masculina, apenas serão permitidas duas pessoas em simultâneo, situação que será sempre controlada por um assistente de sala à entrada das mesmas.
- Não será permitida a permanência de espectadores no interior do Teatro Diogo Bernardes após o final dos espectáculos.
Agradecemos a colaboração de todos para continuarmos a oferecer Serviço Público de Cultura.

Preços

Preço Único: 4€

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda: